quarta-feira, 21 de maio de 2014

HISTÓRIA - AULA 9 - TV Escola


Conheça outra fonte de recursos ao professor e faça seus comentários.


A TV Escola é o canal da educação. É a televisão pública do Ministério da Educação destinada aos professores e educadores brasileiros, aos alunos e a todos interessados em aprender. A TV Escola não é um canal de divulgação de políticas públicas da educação. Ela é uma política pública em si, com o objetivo de subsidiar a escola e não substituí-la. E em hipótese alguma, substitui também o professor. A TV Escola não vai “dar aula”, ela é uma ferramenta pedagógica disponível ao professor: seja para complementar sua própria formação, seja para ser utilizada em suas práticas de ensino. Para todos que não são professores, a TV Escola é um canal para quem se interessa e se preocupa com a  educação ou simplesmente quer aprender. 


Navegue a vontade e comente.

HISTÓRIA - AULA 9 - Portal do Professor e as mais diversas tecnologias


O Portal do Professor é um espaço para troca de experiências entre professores do ensino fundamental e médio, podendo adaptar-se aos Cursos Superiores e Profissionalizantes. É um ambiente virtual com recursos educacionais que facilitam e dinamizam o trabalho dos professores.

O conteúdo do portal inclui sugestões de aulas de acordo com o currículo de cada disciplina e recursos como vídeos, fotos, mapas, áudio e textos. Nele, o professor poderá preparar a aula, ficará informado sobre os cursos de capacitação oferecidos em municípios e estados e na área federal e sobre a legislação específica.

Queridos alunos de História, veja o link a seguir: sugestão de aulas para História para o Ensino Fundamental. Leia os objetivos, as atividades, a proposta de avaliação e de interdisciplinaridade. Se puder acrescentar algo, escreva abaixo, no comentário dessa postagem.

A pré-história: cultura e sociedade
E, agora, vamos navegar nos demais espaços do portal e comentar sobre os recursos que mais lhe chamaram atenção, por que?

quinta-feira, 15 de maio de 2014

HISTÓRIA - AULA 8 - BLOG


ATIVIDADE - CRIAÇÃO DE BLOGS

Nesta atividade propõe-se a criação de um blog. Caso você tenha dificuldades com relação à criação de blogs, sugiro a leitura http://www.tecmundo.com.br/web/1220-como-criar-um-blog-no-blogspot.htm.
Crie seu blog. Faça uma postagem descrevendo como pretende utilizá-lo em sala de aula. Por exemplo, pode criar um blog para a turma em que leciona e postar um texto sobre o tema que esteja sendo desenvolvido juntamente com os alunos e uma imagem ou foto. Use sua criatividade!!!
Em seguida poste o endereço nos comentários dessa postagem.(Somente para quem não fez no e-mail coletivo)

Para que esta atividade esteja completa então será necessário que você crie o blog, faça sua postagem, divulgue o endereço de seu blog.
Parabéns, turma! Gostei do que vi em sala!!!

Bom trabalho

segunda-feira, 12 de maio de 2014

aula 8 História com música


Olá, turma.
A música pode ser um instrumento a mais na construção do conhecimento histórico do aluno e de sua identidade,pois permite trabalhar as  dificuldades relacionadas à leitura, a escrita e aprendizagem, despertar o senso crítico e o interesse dos mesmos para disciplina história. Além disso, a música pode despertar os interesses dos alunos, proporcionando-lhes uma aula diferente e prazerosa.

Você aluno ou professor já teve uma boa experiência, em sala de aula, de ensino e aprendizagem de História com música? O que mais marcou? Quais habilidades acredita que foram desenvolvidas? Vamos compartilhar?

Referências:
- NAPOLITANO, Marcos. História & música - história cultural da música popular/ Marcos Napolitano. - Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
- ABDU, Kátia Maria. Registro e representações do cotidiano: A música popular na aula de história. Cad. Cedes, Campinas, vol. 25, n. 67, p. 309-317, set./dez. 2005. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. 


Bom trabalho



História - Aula 7 - Para discussão em sala de aula


Discussão das possibilidades em sala de aula e sugestões de outras propostas.
História, Filosofia: Tendo em perspectiva a existência de regimes totalitários e as mais diversas formas de censura, questione:
Como seria viver em uma sociedade que, em vez de livros, as pessoas fossem proibidas de ter acesso a produções audiovisuais em geral - cinema, TV, internet, celulares etc.? Em uma situação desta, como os alunos se comportariam?
Neste momento, seria interessante apresentar aos alunos fotos de um dos episódios mais famosos de queima de livros, o dia 10 de maio de 1933 na Alemanha Nazista, em que milhares de livros foram queimados em praça pública. Verifique quais autores foram “queimados” e problematize com os alunos o porquê.

História, Língua Portuguesa, Filosofia: Proponha aos alunos uma reflexão a respeito do lugar da leitura (palavra escrita) hoje, na nossa sociedade.
Pergunte se reconhecem alguma semelhança entre a sociedade apresentada no filme e a nossa. Perceba as reações deles e teça alguns comentários sobre a crescente quantidade de produções audiovisuais que estão sendo incorporadas ao nosso cotidiano. Pergunte a eles:
Por quanto tempo conseguimos ficar em um mesmo canal de TV ou site da internet?
Será que a quantidade diária de informações acessadas por meio de tais mídias tem alterado nosso grau de atenção?
No caso da internet, somos nós que escolhemos o conteúdo que iremos ver ou são os apontadores e links que, previamente, nos “guiam”?
Refletimos sobre nossas escolhas?
Como podemos nos relacionar de forma mais autônoma e crítica em relação às novas tecnologias?
Por que temos o desejo de adquirir o último modelo de celular, de carro, de TV? Podemos viver bem sem o último modelo tecnológico? O que é mais importante, a utilidade ou o status social que estes bens agregam?

Filosofia, História: Inicie uma discussão com a turma sobre alienação e conscientização. Para isso, retome alguns trechos do filme: O momento em que o capitão dos bombeiros certifica-se da obediência de Montag às leis e normas e comenta sobre a sua promoção. (DVD - 00h06min58s – 00h07min46s)
A sequência em que Clarisse questiona Montag sobre a sua relação com os livros, até o instante em que o bombeiro desmistifica os critérios para a participação da esposa em uma peça interativa com a “família” pela “TV” (DVD – 00h13min00s – 00h20min00s).



Aula 7 - História - Apresentações EaD

Queridos alunos,
Na semana anterior discutimos, em sala, sobre algumas questões em EaD:


1 - Quem é o professor de EaD? Qual deve ser sua formação?
2 - Quem é o aluno de EaD?
3 - O que difere o professor de EaD do professor de Ensino Presencial?
4 - De que maneira se estabelecem as relações entre sujeito, meios e objetos de trabalho?
5 - Que tipos de tecnologias o professor de EaD deve conhecer?
6 - Quais as dificuldades sérias na aceitação em EaD?
7 - Relate alguma experiência em EaD.

Após a atividade realizada, iremos criar um vídeo em movie maker.
postecnologiaeducacional@gmail.com 


Textos de apoio:

quinta-feira, 24 de abril de 2014

AULA 6 - REPOSIÇÃO - O CINEMA COMO METODOLOGIA DE ENSINO


O objetivo desta aula  é explorar as potencialidades do cinema como uma metodologia interdisciplinar no Ensino Médio adaptável ao Ensino Superior;


Analisar uma sequência didática com o filme Fahrenheit 451, pois o cinema desafia nossa capacidade de reflexão acerca do mundo em que vivemos. Mais do que isso nos instiga a ir além, a viajar por muitos outros universos. E, assim, quando retornamos, sempre trazemos na bagagem um olhar ampliado e enriquecido sobre todas as coisas e, acima de tudo, sobre nós mesmos.

É importante frisar que tanto documentários quanto obras ficcionais representam opiniões e ma visão de mundo, veiculando ideias e proposições de vida. Trabalhar os elementos representativos da linguagem cinematográfica utilizada pelos diretores dos filmes é, portanto, um aspecto muito importante. 

Atividade  - Escolher um dos temas discutidos a partir do filme e elaborar um texto de opinião para entrega até 15 de maio de 2014.

AULA 5 - ATIVIDADE 2 - Análise de Webquest

Recomendo a todos que visitem estes sites e explorem as Webquests, pois esta é a melhor forma de aprender:



Que tal compartilharmos aqui aqui webquests ou roteiros de pesquisa que consideramos bons?
- Se gostou de uma específica, que mudanças propõe?
- Seria possível em uma única WebQuest dar conta dos interesses individuais dos alunos? 
- Você acredita que os próprios alunos poderiam trazer questões para a criação de um roteiro de pesquisa baseado na metodologia de Webquests? Por que?



Lourdes

AULA 5 - ATIVIDADE 1 - WEBQUEST

ATIVIDADE 1

WebQuest é uma metodologia de pesquisa orientada, em que quase ou todos os recursos utilizados são provenientes da Web. Foi proposta pelo Professor Bernie Dodge, da Universidade de São Diego, em1995.
Para desenvolver uma WebQuest é necessário criar um site que pode ser construído com um editor deHTML, serviço de blog ou até mesmo com um editor de texto que possa ser salvo como página da Web.

Todos nós educadores sabemos o quanto ainda é um desafio trabalhar com habilidades de pesquisa na escola. Quando pensamos na Web os desafios aumentam, tanto por ser um espaço que pode resultar em dispersão, inúmeras fontes nem sempre confiáveis e a facilidade de reprodução do conteúdo. 
Vamos discutir de que maneira propostas de pesquisa orientada, como as Webquests, podem contribuir com a aprendizagem dos alunos. 
Como podemos contribuir para que os educandos de fato aprendam e transformem informações em conhecimentos significativos? 
Como elaborar roteiros desafiadores e que incentivem a construção e a socialização do conhecimento? 
De que forma você proporia trabalhos com pesquisa para seus alunos? 
Sua participação é fundamental.



Bom trabalho.
Lourdes

quinta-feira, 17 de abril de 2014

AULA 4 - ATIVIDADE 2- REDES SOCIAIS (REFLEXÃO)


ATIVIDADE 1
Escola e mídia. Duas instituições que estão cada vez mais próximas e, ao mesmo tempo, distantes. Embora não faltem teorias, estudos e cursos que defendam o trabalho conjunto entre elas, a interface não é das melhores. Muitas escolas ainda não sabem lidar com os meios de comunicação, cada vez mais presentes, influentes e ao alcance de crianças desde a Educação Infantil.
Em junho de 2011, mais um caso veio ao público. A estudante Jannah Nebbeling, 15 anos, aluna do Colégio PH, no Rio de Janeiro, diz ter sido coagida pela direção da escola por ter criado uma comunidade no Facebook para debater assuntos escolares e divulgar as respostas dos deveres de casa que valiam pontos. A página era acessada por cerca de 700 alunos. Para a estudante, uma ação normal. Para a escola, uma cola virtual.
O caso foi parar na polícia. A mãe da aluna processa a escola pela forma como a instituição conduziu o problema: suspendeu a aluna por cinco dias. A escola diz ter chamado o responsável de cada aluno que estava participando da comunidade para uma conversa particular, explicando que se tratava de uma cola indevida, um processo não pedagógico.
Afinal, como é possível estabelecer uma interface criativa e construtiva entre a escola e, hoje, as redes sociais? Como avaliam o caso da aluna? Que pontos positivos é possível tirar deste caso?
Você, futuro professor, acredita que o método de avaliação praticado na maioria das escolas contribui para a atitude da aluna?
Após refletir, comentar e opinar sobre as respostas dos colegas, leia a matéria na íntegra (http://www.revistapontocom.org.br/materias/redes-sociais-na-escola)e volte a comentar.
Bom trabalho.
Profª Lourdes

terça-feira, 25 de março de 2014

AULA 1 - ATIVIDADE 1


*ATIVIDADE 1 –INDIVIDUAL E EM DUPLAS (DISCUSSÃO/SOCIALIZAÇÃO)

- Mas... o que são mídias? O que é tecnologia?
- Que mídias você utiliza no seu dia-a-dia?

Pense um pouco sobre seu dia de hoje:
- Como você acordou? Utilizou um despertador?
- Como preparou seu café? Usou uma cafeteira? O leite estava na geladeira?
- Leu seu jornal? Ouviu as notícias no rádio ou assistiu às notícias na TV?
- Como foi para a escola? Observou a sinalização no caminho?
- Como teve acesso a este curso? Usou alguma mídia? Alguma tecnologia?

Quando ouvimos falar em tecnologia, normalmente nos vem à cabeça a ideia de complexos artefatos tecnológicos, de forma que não nos damos conta de que utilizamos diversas tecnologias que já estão incorporadas ao nosso cotidiano. Podemos citar como exemplos simples: canetas, lápis, talheres, óculos, termômetros, etc.

Assistam ao vídeo e discutam, também, o que seria de vocês sem as Tecnologias


*ATIVIDADE 1 à Adaptada do Programa Mídias na Educação - MEC

AULA 1 - ATIVIDADE 2


ATIVIDADE 2 - AULA 1

(Esta atividade explora a relação entre os tipos de perguntas que os professores podem fazer e o nível de pensamento exigido dos alunos). Nesta atividade, você irá utilizar suas habilidades a fim de ajuda-lo a responder a algumas perguntas sobre as principais descobertas e invenções dos últimos anos.
1 – Individualmente, passe os próximos 10 minutos pensando sobre as possíveis respostas para as seguintes questões: Entre as 5 e 10 descobertas científicas ou invenções tecnológicas dos últimos 100 anos, quais você acha que tiveram o maior impacto(positivo ou negativo) sobre as pessoas e a história? Quando cada um ocorreu? (A internet pode ser utilizada para identificar e fornecer datas precisas.) Escreva sua resposta e compartilhe conforme instrução.
2 – Escolha uma descoberta ou invenção de sua lista. Passe os próximos 10 minutos delineando uma resposta para a seguinte pergunta: Quais são os três impactos positivos e os três impactos negativos da descoberta ou invenção que você escolheu. Escreva sua resposta e compartilhe conforme instrução.
3 – Utilize a mesma descoberta ou invenção e passe os próximos três minutos para refletir sobre a seguinte pergunta: Como a nossa vida seria diferente se esta invenção não existisse? Escreva sobre a sua resposta e a compartilhe conforme instruído.
4 – Após ouvir todas as respostas (de 1 a 3), trabalhe em pequenos grupos e discuta a seguinte pergunta: Existe alguma descoberta científica ou invenção tecnológica que você considera desnecessária e portanto não deveria ser levada adiante? Por quê? Escreva sobre a sua resposta e a compartilhe conforme instruído.
5 – O que você notou sobre o seu processo de pensamento conforme você progrediu pelas perguntas? Como as primeiras perguntas lhe ajudaram a discutir as perguntas finais? Escreva sobre a sua resposta e a compartilhe conforme instruído.


**ATIVIDADE 2 à Adaptada do Programa Intel-Educar – Fundamentos Básicos

sábado, 28 de setembro de 2013

AULA 6- ATIVIDADE 2 - O PAPEL DO TUTOR

ATIVIDADE 
Elaborar uma webquest, em duplas.

INTRODUÇÃO:
Considerando as mudanças vivenciadas na sociedade atual e diante da introdução das Novas tecnologias as práticas pedagógicas escolares, acreditamos que é pertinente uma discussão sobre os papéis e funções do tutor na realidade emergente da Educação a Distância.

TAREFA
Você deverá construir uma apresentação em Power Point, com estruturação completa (introdução,  desenvolvimento e conclusão) procurando considerar os seguintes aspectos:


• Quem é o tutor na EaD?
• Qual deve ser a sua formação?
- E o aluno em EaD?
• De que maneira se estabelece as relações: sujeito, meios e objetos de trabalho na EaD?

PROCESSO:
Esta atividade será realizada com pesquisa nos sites indicados, buscando responder as três questões em forma de apresentação de slides (Power Point).


RECURSOS:

AVALIAÇÃO:

A atividade será avaliada em duplas.


CONCLUSÕES:
O desafio da EaD é o de superar a distância entre aluno e a instituição. Dessa forma, podemos considerar a tutoria como uma função relevante no processo de Educação a Distância uma vez que o tutor representa o elo entre aluno e a instituição.

sábado, 31 de agosto de 2013

REPOSIÇÃO - O CINEMA COMO METODOLOGIA


O objetivo desta aula  é explorar as potencialidades do cinema como uma metodologia interdisciplinar no Ensino Médio adaptável ao Ensino Superior;



Atividade 1 - Assistir ao filme Fahrenheit 451

Atividade 2 - Escolher um dos temas discutidos (Veja conteúdo da aula 3, à direita da tela) a partir do filme e elaborar um texto de opinião para entrega até 21 de setembro de 2013.

Enviar para o e-mail: lourdesposuninove@gmail.com 

Salvar como: atividade de reposição_nome do aluno

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

LITERATURA - AULA 2 - ATIVIDADE 4 - PROPOSTA DE UTILIZAÇÃO EM SALA DE AULA

Olá,
A atividade 2 consiste na escolha de uma possibilidade de utilização do vídeo proposta por Moran no texto O vídeo em sala de aula e um esboço de aula contendo:
Título - Objetivos - Conteúdo - Público Alvo - Atividades (pode incluir vídeos do youtube ou outros) e professores elaboradores (dupla).


Bom trabalho.

Elaborem uma apresentação em power point e enviem para o e-mail: lourdesposuninove@gmail.com

LITERATURA - AULA 2 - ATIVIDADE 3 - Discutindo limites!

Queridos alunos, a primeira atividade de hoje consiste na leitura do texto e transpor a mensagem, também, para nossa sala de aula.
Como limitar o uso das novas tecnologias para que, em sala de aula, esteja a favor do ensino e aprendizagem?


Estragou a televisão - Luiz Fernando Veríssimo

-- Iiiih...
-- E agora?
-- Vamos ter que conversar.
-- Vamos ter que o quê?
-- Conversar. É quando um fala com o outro.
-- Fala o quê?
-- Qualquer coisa. Bobagem.
-- Perder tempo com bobagem?
-- E a televisão, o que é?
-- Sim, mas aí é a bobagem dos outros. A gente só assiste. Um falar com o outro, assim, ao vivo... Sei não...
-- Vamos ter que improvisar nossa própria bobagem.
-- Então começa você.
-- Gostei do seu cabelo assim.
-- Ele está assim há meses, Eduardo. Você é que não tinha...
-- Geraldo.
-- Hein?
-- Geraldo. Meu nome não é Eduardo, é Geraldo.
-- Desde quando?
-- Desde o batismo.
-- Espera um pouquinho. O homem com quem eu casei se chamava Eduardo.
-- Eu me chamo Geraldo, Maria Ester.
-- Geraldo Maria Ester?!
-- Não, só Geraldo. Maria Ester é o seu nome.
-- Não é não.
-- Como, não é não?
-- Meu nome é Valdusa.
-- Você enlouqueceu, Maria Ester?
-- Pelo amor de Deus, Eduardo...
-- Geraldo.
-- Pelo amor de Deus, meu nome sempre foi Valdusa. Dusinha, você não se lembra?
-- Eu nunca conheci nenhuma Valdusa. Como é que eu posso estar casado com uma mulher que eu nunca... Espera. Valdusa. Não era a mulher do, do... Um de bigode...
-- Eduardo.
-- Eduardo!
-- Exatamente. Eduardo. Você.
-- Meu nome é Geraldo, Maria Ester.
-- Valdusa. E, pensando bem, que fim levou o seu bigode?
-- Eu nunca usei bigode!
-- Você é que está querendo me enlouquecer, Eduardo.
-- Calma. Vamos com calma.
-- Se isso for alguma brincadeira sua...
-- Um de nós está maluco. Isso é certo.
-- Vamos recapitular. Quando foi que casamos?
-- Foi no dia, no dia...
-- Arrá! Tá aí. Você sempre esqueceu o dia do nosso casamento... Prova de que você é o Eduardo e a maluca não sou eu.
-- E o bigode? Como é que você explica o bigode?
-- Fácil. Você raspou.
-- Eu nunca tive bigode, Maria Ester!
-- Valdusa!
-- Tá bom. Calma. Vamos tentar ser racionais. Digamos que o seu nome seja mesmo Valdusa. Você conhece alguma Maria Ester?
-- Deixa eu pensar. Maria Ester... Nós não tivemos uma vizinha chamada Maria Ester?
-- A única vizinha de que eu me lembro é a tal de Valdusa.
-- Maria Ester. Claro. Agora me lembrei. E o nome do marido dela era... Jesus!
-- O marido se chamava Jesus?
-- Não. O marido se chamava Geraldo.
-- Geraldo...
-- É.
-- Era eu. Ainda sou eu.
-- Parece...
-- Como foi que isso aconteceu?
-- As casas geminadas, lembra?
-- A rotina de todos os dias...
-- Marido chega em casa cansado, marido e mulher mal se olham...
-- Um dia marido cansado erra de porta, mulher nem nota...
-- Há quanto tempo vocês se mudaram daqui?
-- Nós nunca nos mudamos. Você e o Eduardo é que se mudaram.
-- Eu e o Eduardo, não. A Maria Ester e o Eduardo.
-- É mesmo...
-- Será que eles já se deram conta?
-- Só se a televisão deles também quebrou.

LITERATURA - AULA 2 (parte I) - ATIVIDADE 2

AULA 2 (parte I) - ATIVIDADE 2


FORMANDO GRUPOS DE COOPERAÇÃO


MEDIANDO A COOPERAÇÃO
A cooperação pode não vir naturalmente para os alunos e pode requerer motivação, instrução direta e tempo de prática. Por exemplo, formas de trabalhar em equipe devem ser discutidas, incluindo respeitar a vez do outro, ouvir quando outros estão falando e ser responsável pelo próprio aprendizado.
Quando os alunos estão interagindo e trabalhando em conjunto, o professor deve garantir que:
- Todos os membros do grupo participem e sintam-se incluídos;
- Todos os membros do grupo concordem a respeito dos objetivos e dos planos para criar um produto;
- Todos os membros do grupo trabalhem em suas atribuições para completar seu produto final;
- Todos os membros do grupo revisem seu trabalho juntos para ver se podem melhorá-lo;
- Todos os membros do grupo falem a respeito do trabalho e se ajudem ao longo do processo.
Quando os alunos trabalham em grupo, conflitos podem surgir. Leia a seguinte lista de conflitos e identifique possíveis soluções .
Conflito 1 : Um aluno se recusa a trabalhar com determinado colega ou grupo.
Conflito 2: Ninguém quer trabalhar com determinado aluno.
Conflito 3: Um aluno é tímido e não quer falar.
Conflito 4: Um aluno não deixa o colega ou outros membros do grupo utilizarem o computador.

Conflito 5: Um aluno não respeita ou não ouve as ideias do colega ou de outros membros do grupo.
Querido aluno, escolha um único conflito para comentar.
Atividades adaptadas  do Programa Intel-Educar – Fundamentos Básicos

Referências:
Os processos grupais em sala de aula - Adriana J.F. Chaves
Como se relacionam professores e estudantes - Didática do Ensino Superior - Antonio C. Gil



LITERATURA-AULA 2 (Parte I) - ATIVIDADE 1

AULA 2 (Parte I) - ATIVIDADE 1 

Atingindo objetivos de aprendizagem
Os mecanismos para atingir objetivos de aprendizagem podem ser organizados de três modos:
Competitivamente: alunos competem uns com os outros para descobrir quem é o melhor ou o mais rápido na conquista de um objetivo que apenas um ou poucos podem alcançar.
Individualmente: alunos trabalham sozinhos para alcançar objetivos sem relação.
Cooperativamente: alunos trabalham em conjunto  para alcançar o mesmo objetivo.
Os mecanismos competitivos, individualistas ou cooperativos têm todos eles um papel na conquista de objetivos de aprendizagem. O ideal é que cada aluno aprenda como competir, trabalhar individualmente e em equipe.
1 – Quais seriam as vantagens e desvantagens de cada forma de alcançar objetivos de aprendizagem?
2 – Você tem uma maneira preferida para alcançar seus  objetivos de aprendizagem? Por quê?


FORMANDO GRUPOS DE COOPERAÇÃO
Cooperação envolve trabalho em equipe – trabalhar com uma ou mais pessoas para estabelecer objetivos e completar tarefas. Pesquisas indicam que a cooperação propicia oportunidades para que os alunos tenham maior sucesso acadêmico no sentido de que façam perguntas, discutam ideias, explorem soluções, esclareçam seu próprio pensamento e desenvolvam uma compreensão mais aprofundada do contexto. Da mesma forma, habilidades sociais, tais como saber ouvir e falar, compartilhar ideias, ajudar os outros e aceitar ajuda de outros quando necessário, podem ser adquiridas por meio da cooperação.
Grupos de cooperação podem ser formados da seguinte maneira:
- Pelos próprios alunos com base na amizade ou interesses
- Por designação aleatória
- Pelo professor
1 – Quais seriam as vantagens e desvantagens de cada forma?
2 – Há um modo que você prefira para formar grupos ou pares? Por quê?

A orientação mais indicada aos professores é para que designem pares de estudantes que fiquem juntos durante todas as atividades de uma situação didática, com o objetivo de um aprender com o outro. Esforços para separar pares que não estejam trabalhando bem são frequentemente improdutivos. Modificar pares durante uma situação didática não é recomendado, pois nega ao aluno a oportunidade de aprender as habilidades necessárias para resolver problemas por meio da cooperação.

Alunos escrevam suas opiniões, mas, antes, clique na aula 2 (lado direito da tela) e assista aos vídeos.